03 junho 2013
Estava eu aqui olhando a chuva e me deu vontade de escrever. Já está tarde e eu precisava estar na cama. Simplesmente pensando em como o dia está terminando e eu não estou ao seu lado, eu penso em você conforme as horas vão passando, mas precisei entender que amanhã será um novo dia e apenas começamos. O tempo da vitória é agora e  um dia iremos rir do contratempo de hoje.. boa noite leitores, dormem com Deus enquanto eu olharei um pouco mais essa chuvinha boa (:
E se esse for mais um texto de amor? E se ele for sobre você? Faz alguma diferença?
Esse é mais um daqueles momentos em que você não sai dos meus pensamento e eu fico narrando a nossa história que nem se quer existe. A coisa não ta fácil sabia? Além do espaço que você ocupa nos meus pensamentos, você ainda resolve aparecer nos meus sonhos, o que na verdade me fez ficar ansiosa para a noite chegar e eu poder dormir e sonhar com você. Afinal ter você, não importa como, mesmo sendo um sonho é a melhor coisa para me arrancar sorrisos e suspiros vindos da alma. 
Será que você imagina o quanto eu gosto de você? Das coisas loucas que eu já fiz por você (e que eu acredito que você nem notou)? E das coisas loucas que eu seria capaz de fazer por você? Bom eu não sei se você vai ler isso, afinal de contas, você nem gosta de ler, kkk. Irônico eu gostar de alguém que não gosta de ler, aliás eu escrevo não é mesmo? E também que diferença faz se você não gostar de ler, eu poço falar tudinho pra você, basta que você me peça.
Esse já deve ser o vigésimo texto falando de você em três semanas. E eu aqui querendo ser uma escritora de sucesso, mas quem diabos vai querer ler algo que fala só de uma única pessoa? E como eu digo você me vira do avesso, e como eu também digo, o avesso é o meu lado certo.
E se for pra tudo isso dar certo? Eu, você, a gente nós.
Precisei atravessar um oceano, riscar meu corpo, colorir meus cabelos. Tive que abandonar seguranças e certezas, amigos e família. Deixei para trás emprego, casa, travesseiro, língua, lembranças e passados que não passavam. Deixei meus amores, tantos que me deixaram um buraco. Deixei minhas paixões, tolas, que só me fizeram ver que o buraco era eu.
Precisei me afastar de tudo o que eu amo para me amar, precisei mudar completamente o que eu sou pra me ser.
Aqui nessa cidade gelada, verde e cinza, planta e prédio, tantas pessoas de tantos lugares. Aqui onde posso confundir domingo e quinta-feira e gastar minha meias no chão de casa. Onde as horas são minhas e as escolhas também. São tantas as novidades todos os dias, novos rostos para novos começos. Tantas línguas e culturas. Tanta gente e tanta solidão.
O momento que era de fim se fantasiou de começo e me permitiu começar. O ano em que tudo acabaria sobreviveu e eu sobrevivi. A vida me chamou, bagunçou meu mundo, virou minha existência de cabeça para baixo, decapitou minha existência. O fim virou começo. E eu me permiti começar.

eu

eu

Quem sou eu

Oi, eu sou a Stephany Poubel e esse é oficialmente meu cantinho na internet. Hoje tenho 20 anos e moro no Rio de Janeiro. Sou formada em Gestão de Recursos Humanos, mas meu sonho mesmo é ser escritora. Minha vida às vezes parece roteiro de filme e eu adoro escrever, sempre gostei de compartilhar com outras pessoas o bom da vida. Sou apaixonada por musculação, porém minha dieta não é totalmente balanceada. Minha base é minha família, porém são eles que me apoiam. Meu blog se transformou num lugar onde compartilho as coisas mais legais que vejo por aí, e sempre serei uma eterna aprendiz!

Seguidores

Postagens populares

Tecnologia do Blogger.