15 janeiro 2014
Eu nunca fui uma garota normal, passei muitos problemas por não manter os padrões de uma adolescente da minha idade. Mas a questão é que eu sempre soube o que eu era, e mesmo quando eu achei que eu podia estar errada mantive minha mente estável no que eu acreditava.
Depois de um tempo você aprende a lidar com piadinhas, gente cochichando e olhares de reprovação. Tudo vai depender de como você lida com a opinião dos outros, eu, por exemplo, não dou a mínima. E mesmo de vez enquanto eu odiando meu corpo ou querendo mudar meu penteado porque meu cabelo tá um lixo eu sei que lá no fundo minha alma tá em paz comigo mesma. 
E quando me perguntam como é que eu consegui lidar com o mundo quando decidi que não seguiria os tais padrões eu respondo que tudo vai do meu foco em tudo que eu acredito. Não tenho 100% de certeza do que pode acontecer por eu me manter em um mundo paralelo totalmente criado por mim, mas é única coisa que consegue me manter inteira na maior parte do tempo. 
E quando se vive em uma sociedade cruel, que te distingue pelo que você veste e não pelo que você é, a saída pra uma garota que ignora isso, realmente só pode ser se enterrar em pensamentos que te levam pra longe da realidade. E se me julgarem por eu estar sempre no mundo da lua, a minha resposta é: eu escolhi estar lá, eu existo melhor lá.
Sempre me senti fora do contexto. Literalmente sempre tropeçando pela vida, eu sou uma desastrada de carteirinha. Nunca me senti normal, e as pessoas também nunca me acharam normal. Porque realmente eu não sou normal. E se ser normal inclui ter que ser um tremendo idiota, eu nem quero ser.
E sim eu vivo em outro mundo na maior parte do tempo, sou completamente desligada, e acho que as pessoas deviam se preocupar menos com o fato de eu não estar atenta o tempo todo, porque eu realmente não preciso estar. Não devo nada e isso me deixa livre para ser exatamente como eu quiser, isso inclui ser desastrada, quieta, tímida, lunática, lenta e antissocial. 
Essa minha decisão me leva a depender de um mundo que na realidade não existe, que apenas é real em minha mente. Eu criei meu mundo pra fugir da crueldade das palavras que a sociedade estúpida usou contra mim. O fato é que eu preciso mais do meu mundo pra existir do que ele de mim.

0 comentários:

eu

eu

Quem sou eu

Oi, eu sou a Stephany Poubel e esse é oficialmente meu cantinho na internet. Hoje tenho 20 anos e moro no Rio de Janeiro. Sou formada em Gestão de Recursos Humanos, mas meu sonho mesmo é ser escritora. Minha vida às vezes parece roteiro de filme e eu adoro escrever, sempre gostei de compartilhar com outras pessoas o bom da vida. Sou apaixonada por musculação, porém minha dieta não é totalmente balanceada. Minha base é minha família, porém são eles que me apoiam. Meu blog se transformou num lugar onde compartilho as coisas mais legais que vejo por aí, e sempre serei uma eterna aprendiz!

Seguidores

Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.